ESCATOLOGIA

1.1 - OS DIFERENTES MÉTODOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA
Vamos analisar apenas três dos diferentes métodos de interpretações escatológicas existentes. Dentre os mais diversos, estes pelo fato de figurarem no ápice da lista, e também pelo fato de serem os predominantes. São eles:
1°) O método de interpretação alegórica é o método onde todas as interpretações bíblicas têm conotação com o fantástico e o ilusório. Um bom exemplo desta escola é o movimento sectário que diz, por exemplo, que o nascimento de Jesus se deu pela relação sexual de Maria com o anjo Gabriel, ou ainda com o sacerdote Zacarias. Ainda que as 2 testemunhas citadas no apocalipse são o A.T. e o NT. Para alguns movimentos sectários que se utilizam de tal método, Jesus já está, desde 1844 reinando no tabernáculo celeste e, por conseguinte, o diabo já está preso desde tal data até que se cumpram mil anos sobre ele. Ainda para o movimento que se utiliza deste método de interpretação céu e inferno são apenas alegorias citadas na bíblia, sendo, conforme ensinam, que quando o homem expira nesta vida nada mais existe ou existirá. Por outro lado, a besta codificada na bíblia com o número 666 é o gigante Golias, pois tinha seis dedos em cada mão e pé, media seis côvados e um palmo de altura e a ponta de sua lança pesava seiscentos ciclos de ferro. Veja o texto: “4:Então saiu do arraial dos filisteus um homem guerreiro, cujo nome era Golias, de Gate, que tinha de altura seis côvados e um palmo. 7: E a haste da sua lança era como o eixo do tecelão, e a ponta da sua lança de seiscentos ciclos de ferro, e diante dele ia o escudeiro. I Sm 17:4,7, e II Sm 21:20:“Houve ainda também outra peleja em Gate, onde estava um homem de alta estatura, que tinha em cada mão seis dedos, e em cada pé outros seis, vinte e quatro ao todo, e também este nascera do gigante. A crítica que podemos fazer a este método de interpretação é que: 1º) a Palavra de Deus é VIVA e EFICAZ; 2º) Jesus, durante o seu ministério terreno, fez uso de parábolas e de linguagem direta (literal), mas não usou jamais linguagem de alegoria, quer fantasiando seus discursos, ou mesmo fantasiando discursos dos antigos profetas. Mas para cada discurso antigo dos profetas Ele dava uma interpretação literal e não fantasiosa. 2°) O método de interpretação figurada, por sua vez, é um método que, quando aplicada de forma exclusivista, tende a diminuir o valor da Palavra, quer de exortação quer profética, visto que em tudo há sempre uma segunda explicação, mesmo naqueles pontos onde está mais que patente ser literal. Contudo, quando usado de forma honesta tende a valorizar o conteúdo da Palavra, pois o próprio Senhor Jesus usou de linguagem figurada; as parábolas. 3°) O método de interpretação literal, é o método excelente por natureza, visto que a própria natureza é literal e não utópica. É, de todos os métodos, o mais excelente e condizente com a realidade, visto trazer em seu corpo a essência das próprias palavras de Jesus. Devemos respeitar que o Senhor Jesus durante o seu ministério fez uso literal das palavras, tanto suas como também dos profetas. Contudo, não se limitou a este método e, como bem sabemos, também fez o uso de diversas figuras de linguagem falando em parábolas ao povo. Segundo Ele mesmo, para que o povo não O entendesse claramente naquele instante, e por isto, somente falava abertamente aos discípulos. Portanto, é o método literal o que mais condiz com o conteúdo sacro ministrado, tanto por Jesus, como também por todos os demais escritores sacros.

1.2 - AS 3 PRINCIPAIS ESCOLAS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA
1ª) A Pretérita, que sempre interpreta olhando para o passado, desprezando assim todo desenrolar escatológico e redentor sobre a igreja;
2ª) A Futurista que sempre interpreta olhando para o futuro, nunca para o tempo
3ª) A Histórica, também conhecida como ”Progressista”, ou ainda “Contemporânea”, que interpreta os fatos bíblicos segundo o desenrolar da história.

1.3 - AS 4 PRINCIPAIS MANEIRAS DE INTERPRETAR A BIBLIA
1º) a interpretação por referência. Ex.: A bíblia cita Jesus como bom Pastor? Sim: em João 10:11
2º) a interpretação por inferência. Ex.: o apostolo Pedro era casado? Sim: (MT 8:14) "E Jesus, entrando em casa de Pedro, viu a sogra deste acamada, e com febre. Onde a inferência? Ora, se Pedro tinha sogra, por conseguinte tinha também esposa. Veja que o texto não diz “ex-sogra”, mas literalmente “sogra”.
3º) a interpretação por especulação. Ex.: Aqui entra o que as seitas praticam, como por exemplo os Testemunhas de Jeová e os Adventistas do sétimo dia com suas marcações de datas para os eventos bíblicos, assim como a insistente negativa por grande parte dos adventistas sobre a existência do inferno quando o próprio Senhor Jesus deixou isto muito claro.
4º) a interpretação por conjecturas. Ex.: é aquilo que vemos constantemente, principalmente mostrado pelas diversas seitas modernas, como os deividianos e os raelianos, por exemplo, com a exposição pública de certas revelações dadas por (dizem) “Jesus Cristo”, e coisas mais, e que no fim se mostram como grandes falácias.

1.4 – EM TODO TEXTO BÍBLICO SEMPRE ENCONTRAREMOS 3 COISAS
Um princípio
Um mandamento
Uma ordem

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AS PRINCIPAIS SEITAS E SEUS LÍDERES

PRINCIPAIS RELIGIÕES DO MUNDO E SEUS FUNDADORES

OS SOFRIMENTOS DE JESUS